Entre em contato

Transformamos dados e pesquisas em conhecimento e estratégia.

ÉPOCA: Quando a loja vira banco

Dá para comprar roupas, sapatos, artigos de cama, mesa e banho, eletrodomésticos. E agora também pagar boletos, fazer saques, empréstimos, pagamentos, transferências. É crescente a lista de grandes varejistas no país que, muito além daquele antigo cartãozinho vinculado à loja em que se podia pagar as compras feitas ali em dezenas de vezes, decidiram ampliar a oferta de serviços financeiros e passaram a atuar quase como bancos.

(…)

O grupo dos sem conta-corrente ou conta-poupança cobriria 45 milhões de pessoas, sendo a maioria delas (86%) nas classes C, D e E, segundo levantamento do instituto de pesquisa Locomotiva. Entre eles, sete em cada dez compram fiado, e mais da metade já fez pagamentos utilizando cartão emprestado por algum conhecido. “São pessoas que guardam dinheiro até ter o suficiente para comprar à vista o que precisam, do telefone à geladeira”, disse Renato Meirelles, presidente do Locomotiva. “O consumidor médio adora o varejo e odeia os bancos, que têm “detector de pobre? na entrada. Há um medo do constrangimento, de não ser aceito”, afirmou Meirelles.

“Um dos trunfos dos varejistas são as redes de lojas, que os consumidores já frequentam, ao contrário das agências bancárias, onde os mais pobres têm medo de não ser bem recebidos, disse Renato Meirelles, que pesquisa os hábitos dessa fatia da população”.

Clique aqui para ler a reportagem completa.

Compartilhe esse conteúdo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on pocket

Relacionados

Forbes
Empreendedorismo da favela é como um rio digital

19 de abril de 2022

SBT
Pobreza Menstrual: Meninas deixam as escolas por falta de absorventes

28 de abril de 2022

Canal Futura
O número de idosos conectados à internet cresceu mil por cento nos últimos oito anos

27 de abril de 2022
Abrir chat
1
Precisa de ajuda?
Olá 👋
Podemos te ajudar?