Entre em contato

Transformamos dados e pesquisas em conhecimento e estratégia.

O GLOBO: “Vivência é mérito”, coluna de Flávia Oliveira

Um mar de retrocesso contém gotas de esperança. No ambiente político atravessado por negação da História, desprezo pela democracia e desqualificação da agenda de inclusão de minorias, três dezenas de grandes companhias e instituições previamente comprometidas com a diversidade se reuniram anteontem, em São Paulo, para refletir sobre a inclusão de mulheres negras em vagas de alta qualificação e funções de comando. Convenceram-se de que projetos para ampliar a participação feminina no quadro de colaboradores resultaram, sobretudo, na ascensão de mulheres brancas. Levantamento do Instituo Ethos já mostrou que, nas 500 maiores empresas, pretas e pardas ocupam 8,2% dos cargos de supervisão e 1,6% de gerência; é residual a presença em diretoria, presidência e vice, conselhos de administração.

Isso acontece porque programas de recrutamento raramente são formatados sob a perspectiva da interseccionalidade, conceito que explica a sobreposição das variáveis de gênero, raça e classe na opressão (ou nas oportunidades) a determinados indivíduos ou grupos demográficos.

(…)

O país tem 59 milhões de mulheres autodeclaradas pretas ou pardas, 28,4% do total de habitantes; homens brancos, hegemônicos nos espaços de poder político e econômico, somam pouco mais de 42 milhões (20,4%). Elas movimentam cerca de R$ 704 bilhões por ano, segundo estudo do Instituto Locomotiva; chefiam famílias; tomam decisões coletivas de consumo; produzem inovação e conhecimento; organizam-se em redes de solidariedades em bairros, grupos religiosos e na sociedade civil. Acumulam saberes, mas seguem invisibilizadas no mercado de trabalho ou condenadas a vagas informais, precárias e mal remuneradas.

Clique aqui para ler a coluna de Flávia Oliveira, do jornal O Globo, sobre como é ser uma mulher negra no mercado de trabalho.

Compartilhe esse conteúdo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on pocket

Relacionados

Forbes
Empreendedorismo da favela é como um rio digital

19 de abril de 2022

SBT
Pobreza Menstrual: Meninas deixam as escolas por falta de absorventes

28 de abril de 2022

Canal Futura
O número de idosos conectados à internet cresceu mil por cento nos últimos oito anos

27 de abril de 2022
Abrir chat
1
Precisa de ajuda?
Olá 👋
Podemos te ajudar?